Reflexões - 27/04/2018
 
A diversidade dos 'EUS' e o 'EU' real...

82 acessos

    Em seu livro 'O EU profundo e os outros EUS', Fernando Pessoa considera que nossa existência é composta por diferenciados 'Eus'. Eu não chamo de personalidades, pois o EU real impera sobre os outros. À semelhança das personagens interpretadas pelos artistas, temos em nós nuances extraídas do ser integral. As personas teatrais vivem uma temporada, mas prevalece o artista que as interpreta. Também na vida, algumas das nossas facetas são passageiras, enquanto outras nos acompanham por toda existência, mas prevalecendo a nossa personalidade; o ‘SER’ principal. Para alguns é um universo complexo de seres que habitam nossa mente e nosso coração, cada um com formas, histórias, ideologias, princípios e temperamentos próprios ou distintos.

 

    Não podemos pensar que há uma série de indivíduos se movimentando dentro de nós, pois isso não existe. Somos seres pensantes, portadores de uma personalidade inerente, ativa e central. A partir dela, temos conosco outras que também atuam, às vezes de forma intensa. Não somos vários indivíduos habitando um mesmo corpo. Somos nós mesmos, apenas um ser humano, mas algumas vezes, com aptidões tão fortes e extremosas, que quase criam vida própria. Mas não podemos ser classificados como portadores de múltiplas personalidades.

 

     Alguns exemplos para ilustrar: Uma pessoa trabalha em determinada profissão e ama o que faz. Seja a vivência no trabalho, em família, com amigos, nos divertimentos e outros aspectos, há naturais alterações, pois em certas situações somos mais extrovertidos e em outras somos mais introspectivos. Em local de oração, com certeza buscamos a interiorização e concentração naquele objetivo. Diferente disso, se vamos a uma festa, mesmo sendo mais centrados, o ambiente contribui para a exteriorização, de acordo com o acontecimento. Entre amigos, nos sentimos mais felizes, livres, tranquilos. Com quem não comunga aptidões e princípios já não nos sentimos tão livres, leves e soltos. Essas e outras mudanças comportamentais fazem parte da nossa rotina. Ninguém é sempre igualzinho em todas as circunstâncias que vivencia diariamente.

 

     Contudo, há os fatores determinantes dos múltiplos 'EUS', tornando as alterações do 'EU' central mais destacadas. São as aptidões diversificadas, os gostos, sonhos, sensações, atitudes, pensamentos e sentimentos diferenciados. Às vezes surgem como máscaras, usadas como mecanismo de defesa diante do que não tem coragem de enfrentar. Nem falamos de questões psíquicas estudadas pela ciência, pois nosso objetivo é enfocar os universos existenciais paralelos que existem e pulsam em nós, mas sem alterar nossa saúde física e mental. E embora diferindo apenas nos graus de intensidade, sendo alguns mais ou menos multifacetados e com histórico bem peculiar, não se enquadram na área médica. Referimo-nos às diferentes ideias que às vezes nos surgem.

 

     Podemos gostar do verde, mas também do azul, do amarelo, etc. Podemos ser extremamente fortes diante de certas ocorrências e bem frágeis diante de outras. Podemos ser riso e tristeza, energia e suavidade, calma e agitação, alternados no cotidiano. E tudo isso sem deixarmos de ser a mesma pessoa, pois cada aspecto tem seus fatores determinantes, mas são parte do EU maior, ou seja, nossa essência. E como ser integral, apenas cedemos espaço para muitos outros gostos, várias atividades e diversos interesses, mas jamais podemos permitir que algum dos outros EUS domine o EU que somos de verdade.

 

     Nossa vida não pode ser um eterno baile carnavalesco, onde podemos nos mascarar para fugirmos da realidade. Também não podemos vivenciar personagens teatrais e fazer deles nossa rotina existencial. E jamais termos a equivocada pretensão de que podemos agir como personagens de filmes e livros. Os cineastas e escritores em geral dão-lhes vida e até aventuram-se com eles por caminhos muitas vezes inusitados, mas limitam-lhes quando necessário e lhes dão um caminho de acordo com a situação idealizada. Na vida real, se tentarmos alegar que determinada ação não foi nossa e sim de algum ''EU'', com certeza incorremos em equívoco ou abuso, pois tudo ocorre a partir do EU real. E a vida nos responde. A justiça dos homens e a sabedoria de Deus fazem cumprir as leis.

 

Nosso objetivo com este artigo é, justamente, advertir, evitando assim que alguém pense que a fantasia pode se sobrepor à realidade. Vamos refletir bem sobre isso! Tomemos cuidado para não sermos injustos com os outros e com nossa própria essência. A coerência deve ser nossa companheira, agindo com coração e razão. Respondemos pelo que plantamos, pelo que realizamos, pelo que criamos. E nossos atos, pensamentos e sentimentos demonstram exatamente quem somos na íntegra...

Colunista
Ademir Fernandes
(Núcleo Cristão Espírita)
E-mail: adfesogp@gmail.com
Perfil no Facebook

(Para me adicionar, peço a gentileza de enviar uma mensagem, identificando-se)
  
   Comente!
Outros artigos:

Ano Novo e Renovação...
...Convivência saudável...
Grandes tesouros
A felicidade...

___________________________________________________________________________________________________________
© direitos reservados desde 2008 -  benficanet.com - contato@benficanet.com